Navigation – Plan du site
La querelle des Anciens et des Sauvages

Os antigos e a nação: algumas reflexões sobre os usos da antiguidade clássica no IHGB (1840-1860)

Rodrigo Turin

Résumés

L’objectif de cet article est de partir de la reconstruction des usages de l’antiquité classique dans le cadre de l’Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro pour discuter et mettre en question quelques limites de l’application du modèle koselleckien de formation du concept moderne d’Histoire à des espaces linguistiques autres que ceux analysés par l’historien allemand. La reconstruction de ces usages des anciens par l’IHGB tient en compte les contextes des débats intellectuels ainsi que les genres d’écriture où ils s’inscrivent, et elle est ici présentée comme une voie permettant de saisir les différentes modalités de représentation du passé, tout en mettant en relief leurs spécificités et contingences.   

Haut de page

Notes de l’auteur

Parte desta pesquisa foi apresentada originalmente no II Colóquio Internacional Antigos e Modernos, ocorrido na Universidade de São Paulo em setembro de 2009. Rodrigo Turin. « Entre ‘antigos’ e ‘selvagens’: notas sobre os usos da comparação no IHGB », Revista de História, Edição Especial, 2010, p. 131-146.

Texte intégral

Que cada um seja à sua maneira um grego!
Goethe, «Antik und Modern» (1818)

A legitimidade da nação e o(s) significado(s) de uma ausência

  • 1  Temístocles Cezar propõe a expressão « retórica da nacionalidade » para definir esse esforço discu (...)
  • 2  Hans Blumenberg. The legitimacy of modern age. Cambridge: MIT Press, 1985, p. 669.
  • 3  O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro foi fundado em 21 de outubro de 1838. A criação do I (...)

1Qual o lugar dos antigos quando se trata de escrever a história da nação? Que espaço lhes atribuir quando a tarefa do historiador deve se concentrar em estabelecer os documentos da nacionalidade, determinar sua cronologia, os elementos de sua formação, o sentido de sua história? O que eles podem oferecer a um programa tão fortemente delineado, cuja esmagadora hegemonia não deixa espaço a outros objetos (e objetivos) historiográficos senão aqueles que podem incluir-se sob a rubrica nação1? O que resta, enfim, da autoridade dos antigos quando todo esforço está dirigido a garantir a legitimidade dos modernos2? Ao interrogar os usos da antiguidade clássica na Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, não há como fugir a essas questões3. Um primeiro olhar lançado sobre os artigos publicados na revista durante seus primeiros vinte anos de existência revela a completa ausência de investigações sobre esse tema. Na distribuição dos espaços ali realizada, fica patente a sua não inserção enquanto objeto histórico - pelo menos não diretamente. Tanto nos estatutos como nos programas que balizaram as tarefas do IHGB, tudo girava em torno da construção deliberada e urgente de uma história nacional ainda inexistente, não havendo, por conseguinte, justificativa para outros interesses intelectuais.

  • 4   Roberto Acízelo de Souza. O império da eloqüência. RJ: EdUERJ/EdUFF, 1999, p. 279. Ver também Mar (...)
  • 5  Reinhart Koselleck. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro (...)
  • 6  Como destacam Perelman e Olbrechts-Tyteca, todo orador que quer persuadir um auditório particular (...)
  • 7  Myriam Revault d’Allonnes. Le pouvoir des commencements. Essai sur l’autorité. Paris : Seuil, 2006 (...)

2Contudo, se os antigos ali não aparecem como objetos exclusivos de investimento historiográfico, eles também não deixam de ser invocados nos textos produzidos pelos sócios do IHGB. A constatação dessa presença, concretizada de modo abundante na forma de epílogos, citações e comparações, indica, entre outras coisas, a familiaridade desses autores com a tradição clássica e, como já ressaltou Roberto Acízelo de Souza, o importante papel que a eloqüência continuava a desempenhar no Império4. Convém lembrar, portanto, que se o objetivo era construir uma história moderna (ou filosófica) da nação, não foi esse o modelo historiográfico no qual eles próprios se formaram. Desse modo, essa sensível presença de referências à antiguidade clássica não deixa de trazer alguns problemas para a compreensão do processo de formação de um conceito moderno de história no Brasil, em sua temporalidade e especificidade. Afinal, os deslocamentos semânticos implicados na formação de um regime moderno de historicidade levavam, em princípio, a uma perda da capacidade do passado em oferecer lições ao presente5. Deixando de ser fonte de autoridade, o passado deveria ser compreendido em sua própria historicidade. Como entender, então, essa presença dos antigos nos textos do IHGB? Como simples recurso retórico? Mas justamente, se o fim último da retórica é a persuasão, esta só pode realizar-se num reconhecimento da autoridade dos argumentos utilizados6. Seria tal continuidade índice do lugar fundamental que as concepções hierárquicas continuavam a desempenhar no Império do Brasil com suas diferentes ordens, levando ao reconhecimento e à valorização, diferentemente de sociedades fundadas em princípios igualitários como os Estados Unidos de Tocqueville, da assimetria implícita na noção mesma de autoridade7? De todo modo, longe de ser algo naturalizado, porque ainda a ser construída, a elaboração de uma escrita moderna da história nacional não deixaria de coexistir e de confrontar-se, de diferentes formas e com sentidos diversos, com a autoridade da tradição clássica.

O antigo, o moderno e as antinomias do modelo

  • 8  Esse processo tem se materializado na criação de linhas de pesquisa em historiografia em cursos de (...)
  • 9  Manoel L. Salgado Guimarães. « Historiografia e cultura histórica: notas para um debate », Ágora, (...)

3A produção historiográfica voltada para o estudo da escrita da história no Brasil oitocentista tem passado, nos últimos anos, por um processo de especialização e renovação de seus procedimentos e programas teóricos, ofertando novas chaves de leitura que têm permitido enriquecer nossa compreensão das dinâmicas e embates que presidiram a disciplinarização do saber histórico8. A interrogação desses textos a partir de suas próprias especificidades conceituais, narrativas e epistemológicas tem possibilitado a construção de uma visão mais complexa dos modos como os literatos envolvidos na elaboração de uma história nacional representavam o passado e elaboravam uma determinada ordem do tempo, materializando-os em uma escrita. Assim, o estudo dessas obras e autores deixou de reduzir-se seja a um trabalho de catalogação cujo pressuposto é um processo evolutivo e empiricista da escrita da história - dirigido na maioria das vezes à construção de uma memória disciplinar - seja a um determinado modo de explicação causal que torna essa escrita apenas um elemento « representativo » ou « reflexo » de alguma outra ordem singular qualquer que lhe dá inteligibilidade9. Interrogar as estruturas conceituais que esses textos acionavam, as formas narrativas que optaram, assim como as operações intelectuais que elegiam como necessárias para a investigação e escrita da história significa, portanto, erigir instrumentos de investigação, em uma linguagem protocolar, que garantem o reconhecimento da historicidade desses textos ao mesmo tempo em que configuram um repertório de problemas historiográficos numa agenda de debate.

  • 10  Manoel L. Salgado Guimarães. « Nação e Civilização nos Trópicos: o IHGB e o projeto de uma Históri (...)

4Um dos problemas centrais que se faz presente nessa agenda de debates é justamente a delimitação dos elementos constituintes de uma configuração moderna do tempo e da escrita da história no Brasil, assim como de sua periodização. Desde o importante artigo de Manoel Salgado Guimarães, « Nação e Civilização nos Trópicos », até recentes teses e dissertações, esse problema vem sendo abordado com uma riqueza analítica considerável10. O que me interessa destacar para os fins deste artigo, no entanto, é como o uso dos antigos vem sendo percebido pela historiografia como um índice desse processo. Minha proposta, aqui, longe que querer realizar uma discussão abrangente dessa historiografia, é apenas apontar para a pluralidade de juízos que têm sido feitos acerca dessa presença da antiguidade clássica no IHGB. Em um segundo momento, proponho algumas orientações que permitam articular esses diferentes juízos em uma análise atenta aos gêneros de escrita e aos contextos de debates - como procurarei exemplificar, por fim, a partir de um debate específico envolvendo a figura do selvagem, travado entre dois sócios daquela instituição.

  • 11  Bertrand Binoche. « Le sauvage, l’ancien et le moderne – ou comment penser l’histoire de la societ (...)

5A pergunta acerca do surgimento de um posicionamento moderno em relação à antiguidade clássica, seja nas reflexões estéticas sobre a imitação, seja na historiografia através do topos da historia magistra, pode receber, a priori, três respostas distintas: a) esses tópicos mantém-se como operadores intelectuais legítimos, subsistindo ao lado deste novo horizonte conceitual, na medida em que ainda respondem a demandas por ele não contempladas; b) eles tornam-se ultrapassados, uma vez que, substituído o paradigma na qual sua funcionalidade era justificada, não haveria mais sentido em mantê-los como princípios norteadores de práticas intelectuais; c) enfim, eles seriam reapropriados dentro desse novo paradigma, assumindo novas funcionalidades de acordo com esse novo plano de questões11. Estas três respostas têm sido trabalhadas, ainda que com entonações diferentes, pelos estudos sobre a escrita da história no Brasil oitocentista.

  • 12  Maria da Glória Oliveira. Escrever vidas, narrar a história. A biografia como problema historiográ (...)

6Em sua recente tese sobre as biografias produzidas no IHGB, Maria da Glória Oliveira apontou para a estreita proximidade que os letrados do IHGB estabeleciam entre a escrita biográfica e a sua finalidade moralizadora, tal qual herdada de modelos antigos como Plutarco. Como destaca a autora: « Plenamente afinada ao programa da historia magistra, a escrita biográfica apresentava-se, portanto, como portadora de exempla, servindo, acima de tudo, para instruir os brasileiros no presente »12. Mais do que isso, Maria da Glória Oliveira alerta para o tipo de relação estabelecida por esses letrados com a tradição clássica; uma relação cuja proximidade, mais que o distanciamento, vinha, ao final, também justificar a própria possibilidade de se aprender com as biografias:

  • 13  Escrever vidas, narrar a história, op. cit., p. 54.

Entre os sócios do IHGB, a referência aos antigos assinala alguns balizamentos importantes no desdobramento das reflexões em torno da escrita da história. O que se percebe, sobretudo entre os fundadores do Instituto, é que a evocação de autores canônicos greco-latinos não se estabelece por meio de uma démarche historiográfica preocupada em compreender no que o passado difere do presente, mas se baseia em um jogo de identificações e analogias que, ao final, torna quase nula a distância entre os séculos13.

  • 14  Valdei Lopes de Araújo. A experiência do tempo. Conceitos e Narrativas na Formação Nacional Brasil (...)

7Apreciações distintas a essas são colocadas por Valdei Lopes de Araújo, em sua tese de doutorado recentemente publicada. Para este autor, a produção historiográfica brasileira é marcada por uma real descontinuidade discursiva e conceitual ocorrida na década de 1830, com o movimento romântico14. Esta descontinuidade se caracterizaria, como mostra o autor, pela formação de uma experiência moderna do tempo no Brasil, marcada por uma crescente historicização da realidade, frente à experiência dos letrados provenientes do ambiente ilustrado português, ainda presos a modelos cíclicos. Como conseqüência desse processo, os antigos deixariam de ser entendidos como portadores de exemplos e passariam a ser perspectivados a partir do distanciamento temporal. De uma concepção vinculada a uma natureza humana fixa e limitada a uma concepção historicizada, a antiguidade clássica deixaria de oferecer lições aos homens do presente. A continuidade da presença dos antigos nos trabalhos dos sócios do IHGB, nesse sentido, seria entendida como um resquício de outra ordem conceitual ou como uma «metaforização», não detendo mais um caráter estruturante.

  • 15  Manoel L. Salgado Guimarães. « Uma história da história nacional: textos de fundação », in Ivana S (...)

8Outro modo possível de compreender essa relação entre a presença da autoridade dos antigos, ainda na chave da historia magistra, com a formação de um conceito moderno de história é apresentado por Manoel Salgado Guimarães. Como destaca o autor, o topos da historia magistra vinha a ser reapropriado, no IHGB, dentro dos parâmetros de uma concepção filosófica, de cunho iluminista, da escrita da história: «Compartilham ainda a concepção da história como mestra, mesmo que esse topos esteja sendo revisto pela escrita oitocentista, apoiando-se na defesa do que denominam uma história filosófica»15. Assim, a autoridade do passado – incluindo-se a dos antigos – seria reformulada, num ambiente de disputas e indeterminação quanto aos modos possíveis de representar adequadamente esse passado, a partir das novas expectativas desses letrados em inserir o passado numa ordem temporal singular.

  • 16  João Feres Júnior; Marcelo Jasmin (éd.). História dos conceitos. Diálogos transatlânticos. Rio de (...)
  • 17  Reinhart Koselleck. « Entrevista com Reinhart Koselleck », in Marcelo Jasmin; João Feres Júnior(...)
  • 18  Preocupação semelhante foi colocada por Elias Palti: « Na medida em que modernidade e tradição apa (...)

9Resgato essas contribuições, citadas aqui de forma resumida e bastante esquemática, apenas para ressaltar a variedade de posições interpretativas a respeito do papel dos antigos no IHGB. Aquelas três repostas possíveis a uma mesma pergunta encontram aqui formulações específicas. De um modo geral, contudo, e ainda que com entonações distintas, pode-se dizer que a descrição koselleckiana da formação dos conceitos centrais da Modernidade e, mais especificamente, do conceito moderno de História, serve como um instrumento heurístico central nessas investigações recentes sobre a produção historiográfica no IHGB. Mais do que isso, aquela descrição tem se tornado um modelo ao qual um conjunto de esforços historiográficos recentes tem recorrido para aplicar ao caso Ibérico, possibilitando uma compreensão profunda e sistemática das transformações conceituais ocorridas principalmente no início do século XIX16. O uso desse modelo, no entanto, também pode representar dois riscos: por um lado, pode-se levar tanto ao congelamento quanto à universalização de um processo em relação ao qual o próprio Koselleck se mostrava cético em estender a outros países de tradição distinta dos países de língua germânica17; por outro lado, o uso desse modelo pode servir como uma régua a partir da qual os textos estudados são medidos. Como conseqüência, corre-se o risco de deixar de revisar e enriquecer os sentidos que o conceito de Modernidade pode receber, via comparação, a partir de estudos específicos, assim como o uso desse modelo pode gerar certas distorções, arcaísmos e ambigüidades que, antes de serem inerentes aos próprios textos estudados, são antes projeções das lentes através das quais os enxergamos18. O desafio para a realização de uma história dos conceitos em espaços culturais distintos daquele analisado por Koselleck, portanto, é manter sempre esse instrumento heurístico aberto, como algo que nos permite interrogar os textos, mas sem deixar, ao mesmo tempo, de fazer o movimento de retorno, revendo e refigurando os instrumentos de nossas indagações. Só assim seria possível abrir uma dimensão verdadeiramente comparativa não apenas dos regimes de historicidade, mas também das diversas configurações do que o conceito de Modernidade pretende ou pode abarcar.

  • 19  Pierre Bourdieu. Esquisse d’une theorie de la pratique. Paris: Seuil, 2000, « L’illusion de la règ (...)

10Assim, as diferentes constatações acerca da presença e do significado dos antigos e da historia magistra nos textos do IHGB, acima apontadas, requerem um esforço interpretativo que, sem descartar o papel fundamental que o quadro teórico-analítico da história dos conceitos disponibiliza, possa também incorporar os diferentes usos da linguagem presentes nos textos, os quais ou se colocam como contraditórios ao modelo, ou por ele não são abarcados.  Nesse esforço de não confundir, como destacava Bourdieu, o modelo de realidade com a realidade do modelo, faz-se necessária a reconstrução dos contextos de debates e conflitos nos quais esses letrados e eruditos se inseriam e produziam seus textos, contrapondo-se ou filiando-se a grupos e tradições, assim como a delimitação dos diferentes gêneros de escrita presentes no IHGB e suas respectivas finalidades19. Nesse sentido, deve-se resgatar aqui a pergunta já elaborada por Manoel Salgado Guimarães a respeito da coexistência de modalidades distintas de representação do passado nos textos desses literatos do século XIX:« Como combinar em uma narrativa do passado perspectivas em princípio paradoxais? ». Como o mesmo autor responde:

  • 20  « Uma história da história nacional: textos de fundação », op.cit., p. 403.

No momento em que o próprio conceito de História é ainda objeto de disputas, em que o gênero parece poder ainda comportar diferentes possibilidades narrativas, a tensão explícita no texto de Januário da Cunha Barbosa expressa esse momento de disputas em que uma batalha está sendo travada com vista à definição de como se escreverá essa história;20

11É justamente nesse jogo de disputas, aberto a diferentes possibilidades, que buscamos, aqui, entender a presença dos antigos nos textos do IHGB.

12De acordo com que pudemos mapear pela leitura dos textos da revista do instituto, não é possível realizar uma asserção singular e unívoca a respeito da presença da tradição clássica entre as décadas de 1840 e 1860, justamente porque convivem nos textos do IHGB modalidades tão distintas como: 1) críticas históricas (e historicistas) à autoridade dos antigos, 2) seu uso enquanto modelo de emulação (seja para ações, seja para a própria prática de escrita da história nacional), 3) os antigos enquanto figuras de autoridade argumentativa, 4) seu uso enquanto termos de comparação com as sociedades indígenas; ou, ainda, 5) sua invocação para tipificar e/ou dignificar/heroicizar figuras de vulto da história brasileira.

13Gonçalves Dias, por exemplo, em memória sobre a suposta existência das Amazonas, colocava como tarefa fundamental submeter a autoridade dos relatos antigos a uma crítica histórica judiciosa, deixando de aceitá-los apenas por sua antiguidade:

  • 21  Gonçalves Dias, « Amazonas. Memoria escripta em desenvolvimento do programa dado por S. M. I. ao s (...)

Originou-se esta opinião da poesia, introduziu-se no vulgo pelo amor do maravilhoso; os historiadores, se não improvisaram, aceitaram-na sem critério, e foi, como muitas outras, recebida nos tempos modernos como um depósito venerando pela sua antiguidade, e talvez só digno de fé pelos idiomas em que nos foi transmitida.21

  • 22  « Amazonas. Memoria escripta em desenvolvimento do programa dado por S. M. I. ao sócio effectivo o (...)
  • 23  Manuel Ferreira Lagos, « Relatório dos Trabalhos do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro », (...)

14Acrescentava o autor que a realização de « pacientes investigações da crítica » demonstraria a insustentabilidade da hipótese acerca da existência daquela sociedade composta apenas por mulheres, tendo por um dos critérios de verossimilhança justamente a suposição da improbabilidade tanto da capacidade de mulheres constituírem por si só uma sociedade organizada, como também do fato de que seria « ainda menos verossímil, ou antes mais pasmoso, que a energia viril se tenha podido sujeitar ao império das mulheres »22. Essa crítica à autoridade dos antigos, no entanto, não deixaria de conviver nas páginas da revista com outras enunciações nas quais eles eram invocados como figuras capazes de resolver uma contenda ou de justificar determinado posicionamento, como o faria, entre outros, Manuel Ferreira Lagos ao defender a vinculação entre história e poesia nos escritos de Gonçalves de Magalhães: « Nos mais célebres engenhos da antiguidade as vemos abraçadas: há história em Homero e Virgílio, há poesia em Plutarco e Tácito »23. A associação entre história e poesia nesses autores reconhecidos como clássicos vinha autorizar, portanto, essa mesma prática a um autor moderno. Autoridade que se sustentava em uma assimetria entre os primeiros e o segundo, garantindo a eficácia retórica daquela transferência de legitimidade. Inclusive, a própria da tarefa que dava sentido à existência do IHGB, a de escrever a história da nação, não deixaria de vir legitimada por uma mesma transferência, agora através do confronto entre a grandiosidade dos feitos dos antigos e aqueles da nação brasileira. Januário da Cunha Barbosa, em seu discurso inaugural por ocasião da fundação do IHGB, afirmava (por meio de um mediador moderno) serem as nossas ações equivalentes às dos Gregos e Romanos, merecendo, assim, ser igualmente imortalizadas em uma escrita:

  • 24  Januario da Cunha Barbosa, « Discurso recitado no acto de estatuir-se o Instituto Historico e Geog (...)

Este ramo de estudo, tão necessário à civilização dos povos, faltava aos nossos patrícios. Mas consolamo-nos de um tal descuido, porque também o célebre Rollin, nos tempos em que a França já muito florescia por suas letras, lamentava sacrificar-se o estudo da história nacional ao de outras histórias antigas, como se só na Grécia e em Roma tivessem aparecidos fatos heróicos e varões prestantes, que merecessem ser imitados24.

  • 25  Visconde de Sapuchay, « Discurso », RIHGB, Tomo XVII, 1854, Suplemento, p. 6.

15Não apenas eles, mas também nós temos fatos dignos de serem memorizados por sua grandiosidade. Aqui, o critério que permite medir e legitimar a passagem do fato à memória e, por sua vez, à imitação, é dado pelo reconhecimento daquele passado enquanto clássico. Nessa fórmula, o objetivo não é ultrapassar os antigos, mas colocar-se frente a frente com eles, fazendo transmitir a autoridade de um para o outro. Essa estratégia de heroicização por meio de um paralelo entre o antigo e o nacional, poderia, por fim, ser estendida aos personagens dessa história em construção, como o fez, entre outros, o Visconde de Sapachay, então presidente do IHGB, ao justificar a falta de escritos históricos durante a época da Independência do Brasil: « Os tácitos estavam pois no senado e não podiam ainda escrever a historia »25. Caberia à sua geração narrar, tal como Tácito, os feitos heróicos daqueles vultos do passado, garantindo ao mesmo tempo a heroicidade dessa mesma prática historiadora. Ora, mas esses paralelos entre antigos e nacionais, com o objetivo de glorificação, não impediriam igualmente que pudessem estabelecer comparações entre a antiguidade e aqueles povos selvagens que então habitavam o território nacional. Como irei analisar adiante essas comparações podiam guardar objetivos e valorações bastante distintas.

  • 26  Como diz Wittgenstein: « To the philosophical question: ‘Is the visual image of this composite, an (...)

16Ao indicar essa diversidade de modalidades de usos dos antigos, aqui apenas esboçadas, meu objetivo é apontar para a validade parcial de asserções como as referidas acima pela historiografia no que diz respeito à presença da antiguidade clássica no IHGB. Aquelas três formas de entender a presença dos antigos no IHGB são, de certa forma, asserções corretas e justificadas pelos exemplos a que se referem. No momento, porém, que estas asserções deslizam das aparições concretas a que se referem para um sentido universal, tornando-se regras, elas abrem espaço para a produção de antinomias que se devem não às respostas propriamente ditas, mas antes às perguntas que as originaram26. Antes de tentar adequar esses usos à formalidade do modelo, convém, enfim, atentar para os sentidos visados pelos autores quando de sua aplicação. E uma vez reconstruída essa diversidade de usos e sentidos, o modelo pode vir a ser enriquecido e complexificado, abrindo novas perspectivas de entendimento sobre as formas de representação do passado. Tentarei exemplificar essa questão a partir da análise de um debate travado entre dois sócios do IHGB acerca da natureza do indígena e seu possível lugar na História do Brasil.  

Uma querela sobre o selvagem

  • 27  Temístocles Cezar. « Anciens, Modernes, Sauvages, et l’écriture de l’histoire au Brésil au xixe si (...)
  • 28  Rodrigo Turin. Tempos cruzados: escrita etnográfica e tempo histórico no Brasil oitocentista. Rio (...)
  • 29  Logo na quarta sessão do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, realizada em 4 de fevereiro (...)

17Como já afirmou Temístocles Cezar, não houve no Brasil uma querela entre antigos e modernos, pelo menos não no formato ocorrido em países como França e Inglaterra27. Houve, contudo, o que podemos chamar de uma querela sobre o selvagem. Desde a fundação do IHGB, em 1838, ficara claro que a escrita de uma história nacional implicaria também a atribuição de um lugar aos indígenas que então ocupavam o território brasileiro. O modo como essa reflexão foi configurada diz respeito à própria formação de um discurso etnográfico no Brasil, delimitando suas características e restrições. A produção dos textos etnográficos no IHGB direcionou-se ao esclarecimento de dois problemas principais28. Primeiro, uma busca pela especificidade histórica das populações indígenas. Interessava desvendar quais eram suas origens, seus parentescos, suas divisões, em que estado se encontravam quando da chegada dos portugueses. Todos esses pontos tinham por fim estabelecer um juízo definitivo sobre a questão fundamental: se esses grupos que aqui se encontravam tinham sempre permanecido num estado de natureza ou, ao contrário, eram formas decaídas de civilizações anteriores. Para além da superficialidade do espaço, procurava-se reconstruir a profundidade do tempo. Um segundo problema que norteou os trabalhos etnográficos, decorrente do primeiro, dizia respeito à possibilidade ou não de se catequizar a população que ainda habitava o território, e qual seria o melhor método a se adotar29.

18A interrogação sobre sua origem e o debate sobre sua catequização traduziam as preocupações dos sócios do IHGB em atribuir aos indígenas tanto um passado quanto um futuro – ou, mais especificamente, um passado que lhes possibilitasse sua inclusão ou exclusão do futuro nacional. Essa pauta de debate, definida entre as décadas de 1840 e 1860, convergiu para um cenário no qual, grosso modo, estavam os partidários da catequização, ocupados com a defesa da idéia de decadência dos povos indígenas, e os que a negavam, argumentando a incapacidade desses povos em sair de seu estado de natureza. De um lado, buscava-se defender a catequese como um modo de inclusão das sociedades indígenas provando que seu estado atual era uma forma decaída de civilizações anteriores. O que tornava interessante essa qualidade de decaídos atribuída aos indígenas, além de ser mais adequada à tradição de uma antropologia bíblica de presença acentuada no IHGB, era a conclusão, daí retirada, da existência pretérita de elementos civilizacionais, posteriormente esquecidos. O que indicava, por sua vez, uma narrativa histórica – ainda desconhecida – àqueles povos. De outro lado, especialmente com Varnhagen, procurava-se provar a incapacidade do selvagem em sair de seu estado de natureza, deslegitimando, assim, qualquer esforço de inclusão desses povos ao corpo do Império. Para ambos, era a investigação da história indígena, assim como a definição de sua historicidade, o que possibilitaria uma chave de compreensão e uma legitimação à ação política.

  • 30  Manoel L. Salgado Guimarães. « História e Natureza em von Martius: esquadrinhando o Brasil para co (...)
  • 31  Paul Ricoeur La mémoire, l’histoire, l’oubli. Paris : Seuil, 2001, p. 690. Ver também Jack Goody. (...)

19A etnografia, portanto, vinha a ser concebida como um tipo específico de escrita histórica voltada a povos desprovidos dos marcos de historicidade reconhecidos pela cultura histórica oitocentista30. E, tal como a história propriamente dita, ela também necessitava de fatos. Contudo, na falta de documentos históricos, os únicos métodos capazes de fornecer tais fatos eram a arqueologia e, principalmente, a gramaticalização da língua indígena. Com estas operações, tornava-se possível, primeiro, instituir e selecionar objetos familiares, para em seguida compará-los, deduzindo daí uma história que fugia à consciência dos selvagens. Já que estes não cultivavam uma memória (poder-se-ia dizer com Ricoeur, uma « memória declarativa »), caberia ao etnógrafo extrair da fala e dos costumes dos indígenas indícios que permitissem reconstruir seu passado com a maior verossimilhança possível31. O recurso à comparação mostrava-se assim uma ferramenta fundamental na construção do que podemos chamar de fato etnográfico. Comparavam-se os tupis com os tapuias, os indígenas brasileiros com o de outras regiões da América e Oceania, e mesmo o selvagem brasileiro com o camponês europeu. Com essa (re)construção do fato etnográfico, a comparação permitia ainda a elaboração de um tempo, fazendo surgir a historicidade escondida sob a aparência de um eterno presente. A escrita da história indígena, enfim, só poderia assumir a forma de uma (certa) história comparatista.

  • 32  Convém lembrar que o uso do paralelo, como elemento retórico, inscrevia-se como parte do gênero ep (...)
  • 33  Domingos Gonçalves de Magalhães, médico, diplomata, poeta e dramaturgo, nasceu no Rio de Janeiro, (...)
  • 34  Francisco Adolpho de Varnhagen nasceu em São João de Ipanema (São Paulo) a 17 de fevereiro de 1816 (...)

20Em meio a todo esse exercício comparativo, os sócios do IHGB não deixavam de acionar igualmente os antigos. O modo como o acionavam, contudo, inscrevia-se no objetivo mais amplo de fazer valer as posições políticas e intelectuais que demarcavam o debate etnográfico imperial, cindido entre os promotores da catequese e aqueles que a negavam. A aproximação entre antigos e selvagens, desse modo, vinha a ser regulada por aquilo que se esperava extrair da comparação simultaneamente enquanto efeito de conhecimento e artifício retórico de persuasão: seja para enobrecer os indígenas, seja para acusar sua irrecuperável inércia histórica. Entre antigos e selvagens, os letrados do IHGB aproximavam e distanciavam esses termos fazendo um vir a favor ou contra o outro, já que, movimento de possibilidades recíprocas, dependia da escolha desse terceiro termo – quase sempre ausente – o caminho a ser traçado32. Para exemplificar essas diferentes estratégias, tomarei alguns trechos da disputa travada entre dois autores que ocupavam posições antitéticas no debate etnográfico oitocentista: Gonçalves de Magalhães33 e Francisco Adolfo de Varnhagen34.

Entre os antigos e os selvagens

  • 35  D. J. Gonçalves Magalhães. « Os indígenas do Brasil perante a História », RIHGB, Tomo XXIII, 1860, (...)
  • 36  Francisco A. de Varnhagen. Historia Geral do Brasil, isto é do descobrimento colonisação, legislaç (...)
  • 37  A lista de questões é a seguinte: « 1.Eram os que percorriam o nosso território, á chegada dos chr (...)

21O que motivou Gonçalves de Magalhães a escrever seu texto « O indígena perante a história », publicado na Revista do IHGB em 1860, foi sua leitura da História Geral do Brasil, de Francisco Adolfo de Varnhagen; obra que reunia, segundo ele, todas as acusações que andavam espalhadas contra os selvagens, « concedendo-lhes apenas insignificantes virtudes, como penhores de imparcialidade »35. De fato, para Varnhagen, o papel que o selvagem brasileiro poderia ocupar no modelo de civilização que então se implementava era bastante restrito, ou quase nenhum. No prefácio à primeira edição de sua História Geral, de 1854, o historiador já havia se colocado em aberta oposição à atitude hegemônica no IHGB de promover a inclusão dos indígenas: « não falta – diz ele –  quem seja de voto que se devem de todo reabilitar [os indígenas], por motivos cujas vantagens de moralidade, de justiça ou de conveniência social desconhecemos »36. Como historiador que sacrifica tudo às « convicções da consciência », ele não se deixaria levar por « figuradas idéias de brasileirismo ». No segundo tomo de sua obra, que apareceu em 1857, Varnhagen inseriu um « Discurso Preliminar » para responder às críticas que havia recebido, ampliando sua agenda etnográfica com o objetivo de legitimar sua posição política anteriormente afirmada. O programa de pesquisas que ele desenha, em conformidade com as questões que guiavam as pesquisas no IHGB, visava estabelecer a origem dos indígenas habitantes do território, determinar seu caráter e, com base nessas conclusões, formular as melhores medidas políticas a serem tomadas37. Se os objetivos gerais eram similares àqueles desenvolvidos no instituto, as expectativas, contudo, se mostravam bem diferentes. De forma sucinta e objetiva, ele apresenta as respostas a cada uma das questões colocadas, concluindo peremptoriamente:

  • 38  Historia Geral do Brasil. Tomo II p. XXVIII.    

os Índios não eram donos do Brasil, nem lhes é aplicável como selvagens o nome de Brasileiros: não podiam civilizar-se sem a presença da força, da qual não se abusou tanto como se assoalha; e finalmente de modo algum podem ser eles tomados por nossos guias no presente e no passado em sentimentos de patriotismo ou em representação da nacionalidade38.

  • 39  « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 4

22Essas palavras, como não poderia deixar de ser, renderam-lhe uma série de críticas, entre as quais o texto apresentado por Gonçalves de Magalhães ao IHGB. Este texto, portanto, qualifica-se como uma ação de defesa e de reabilitação do indígena contra as acusações proferidas na obra de Varnhagen.  Este, segundo Magalhães, teria escrito sua história assumindo de forma parcial e acrítica apenas a visão dos vencedores, expressa nos documentos oficiais e nas crônicas dos colonizadores que havia utilizado como fontes. Diante disso, Magalhães inicia seu estudo invocando a ética historiográfica à qual Varnhagen teria ignorado ao compor sua história: a imparcialidade.  Não « nos esqueçamos que os vencedores querem ter toda a razão do seu lado, mesmo quando levantam fogueiras; e o historiador é um juiz reto, e não o panegirista da vitória a todo custo »39.

  • 40  «Os indígenas do Brasil perante a História», op.cit., p.51. Grifos meus.
  • 41  «Os indígenas do Brasil perante a História», op.cit., p. 37.

23Por oposição a Varnhagen, Gonçalves de Magalhães procura então provar que o estado atual das populações indígenas, longe de ser um estado de natureza irrecuperável, é antes fruto de um processo de decadência: « Habituamo-nos tanto a considerar os indígenas como selvagens sem lei nem grei, a despeito do que em contrário sabemos continuamos a raciocinar como si eles assim fossem; talvez pelo estado de decadência a que se acham reduzidos os que por esses sertões se refugiaram »40. O que se costumava considerar como uma natureza selvagem não passaria, portanto, de mera aparência, fruto de uma decadência que caberia à investigação etnográfica desvendar. « A selvageria completa é uma ficção », afirma ainda Magalhães, « ou uma decadência e aberração temporária do estado normal do homem, que dela tende sempre a sair voluntária e instintivamente, como de um estado de enfermidade »41.

  • 42  «Os indígenas do Brasil perante a História», op.cit., p. 6

24Para provar esta tese central, que o filiava a outros autores como Joaquim Norberto e Gonçalves Dias, um dos expedientes a que Magalhães recorre no decorrer de seu texto é a comparação dos selvagens com os antigos. Mas antes de tecer essas comparações, ele não deixa de lembrar a seus leitores, logo de início, o lugar que a antiguidade ocupa em sua própria tradição, fixando, ao mesmo tempo, a função que assume em seu texto: « O elemento europeu que constitui uma parte da população do Brasil, e ao qual devemos o incremento da nossa civilização, tem por si a história gloriosa dos seus antepassados, desde que herdeiros dos remanescentes da civilização grega e romana que combateram, deixaram por este mesmo combate o estado selvagem em que vivam »42. O autor referenda, assim, a posição de origem que cabe à antiguidade greco-romana na história da civilização ocidental. Essa posição de origem, convém ressaltar, longe de indicar qualquer condição primitiva dos antigos, qualifica-se antes pelo caráter de fundação daquilo que se entende como uma tradição européia, da qual o Brasil se vincula pela colonização portuguesa. Essa herança, como inclui Magalhães em sua assertiva, foi o produto indireto de um combate no qual esses mesmos antepassados que garantiram o « incremento da civilização » no Brasil desempenharam, na antiguidade, o papel de selvagens. Desse modo, no mesmo movimento em que fixa um valor aos antigos como parâmetro para as posteriores comparações, associando-os à civilização, Magalhães sugere já a validade de sua tese (da possibilidade da catequização) por meio desta substituição de papéis entre o mundo antigo e a história brasileira: a convertibilidade do selvagem brasileiro à civilização assegura-se pelo próprio exemplo dos portugueses que colonizaram o Brasil!

  • 43  Essa relação entre autoridade e reconhecimento foi bem destacado por Pascal Payen: « Le fait de re (...)

25Centradas principalmente em referências greco-romanas, as comparações tecidas por Magalhães entre antigos e selvagens buscavam produzir sempre a semelhança, e nunca a diferença. Isso, pois é nesta semelhança produzida pela invocação da autoridade dos antigos, assim como pelo seu reconhecimento por parte dos letrados do Império (lembrando que toda autoridade deve ser reconhecida), que o autor garantiria seu propósito de reabilitação do indígena perante as acusações de Varnhagen43. Todas as comparações seguem uma linha comum, com a aproximação entre os dois termos fazendo transferir ao selvagem o valor positivo já reconhecido aos antigos. Esta operação é toda voltada para a resolução daqueles problemas que então configuravam o debate etnográfico no IHGB, quais sejam: a atribuição de um passado aos indígenas e a possibilidade de sua catequização.

  • 44  « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 11.
  • 45  Georg Simmel.« The Ruin », in K. Wolff (éd.), Georg Simmel: 1858-1918. Columbus: Ohio State Univer (...)

26No que diz respeito ao primeiro ponto, Magalhães invoca as ruínas indígenas encontradas em diferentes regiões da América, como Cuzco, Tenochticlan e Tezenco – esta última denominada por ele de «Atenas americana». No Brasil, tais ruínas jamais foram encontradas, apesar de toda expectativa e esforços realizados pelos sócios do IHGB. De todo modo, como únicos traços materiais de um passado indígena, não deixavam de ser invocadas na disputa etnográfica brasileira, tal como o fazia Magalhães em seu texto: « documentos incontestáveis de uma civilização de caráter antigo e original, que denuncia gerações sucessivas e séculos para ter chegado a este ponto de grandeza e esplendor, tão fácil nos é supô-la anterior, como contemporânea da mais antiga civilização da Índia e do Egito »44. Essa primeira equivalência tecida por Magalhães entre selvagens e mundo antigo tem por fim ressaltar a antiguidade indígena e sua historicidade. A posse de um passado histórico, tão extenso e grandioso como o das civilizações mais antigas, garantiria às sociedades americanas um critério de identificação caro à cultura histórica oitocentista através de sua inserção paralela a uma tradição (re)conhecida. A existência daquelas ruínas indicaria um movimento temporal (« gerações sucessivas e séculos ») marcado por conceitos como grandeza e decadência, constituindo, portanto, uma narrativa histórica àqueles povos. Afinal, para essa cultura histórica, mais do que representar as sociedades do passado, como afirma Simmel, as ruínas vinham representar o passado das sociedades45.  

27Além do valor de um passado histórico, que garantiria aos indígenas uma inserção temporal, Magalhães lança mão de outra comparação com os antigos, agora para refutar a idéia professada por Varnhagen de que a vingança seria o único sentimento conhecido dos selvagens. Aqui, a outra qualidade em jogo no debate etnográfico do IHGB a que os antigos são chamados a esclarecer e a autorizar é a sociabilidade natural do indígena, condição e legitimação de sua inserção à nação brasileira.

  • 46  Arno Wheling. Estado, História, Memória: Varnhagen e a construção da identidade nacional. Rio de J (...)

28Na visão histórica de Varnhagen, a guerra exerce uma função importante; ela é parte integrante do processo histórico da civilização46. A guerra praticada pelos indígenas, no entanto, não assume o mesmo papel que possui na História ocidental. No caso dos selvagens, ela é antes um ingrediente que os impede de criar laços sociais estáveis e, assim, sair de um estado de barbárie. O maior motivo dessa diferença seria justamente o «instinto de vingança» presente na alma indígena. Sendo, por excelência, um ser vingativo, incapaz de desenvolver qualquer sentimento de abnegação, o selvagem não estaria apto a conceber valores mais nobres que o ligassem a um passado e o projetassem a um futuro comum:

  • 47  História geral do Brasil. Antes de sua separação e Independência de Portugal. 3ª Edição. São Paulo (...)

E começada uma vez a rixa, era transmitida de filhos a netos; pois que nessas almas, em que tanto predominavam os instintos de vingança, nenhum sentimento de abnegação se podia abrigar em favor do interesse comum e da posteridade. Nos selvagens não existe o sublime desvelo ou bairrismo, que nem sequer eles como nômades tinham bairro seu, como um sentimento elevado que nos impele a sacrificar o bem estar e até a existência pelos compatriotas, ou pela glória da pátria47.

  • 48  A descrição etnográfica de Varnhagen pode ser bem caracterizada pelas palavras de François Furet: (...)

29Logo, a única memória que os selvagens estariam aptos a cultivar seria uma memória de vingança, a qual os condenaria a um presente contínuo. Ao contrário do homem civilizado, que somente é capaz de matar e de morrer graças a um sentimento mais elevado, de patriotismo, os selvagens agiriam por puro instinto. Sem leis, sem Estado, sem religião, sem noção de propriedade, sem escrita, eles são, aos olhos de Varnhagen, pura falta48.

30É em oposição a essa descrição etnográfica do autor da História Geral do Brasil, que Magalhães recorre novamente a exemplos do mundo antigo, cuja autoridade tem a função de inverter o valor atribuído por Varnhagen ao sentimento de vingança dos indígenas:

  • 49  « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 14.

Essa simpatia natural – diz Magalhães -, que liga os indivíduos de uma mesma tribo, é o instinto de associação, a base fundamental da civilização e o gérmen da justiça; e não há de que fazer censuras se esse sentimento é tão forte no coração do homem livre. A destruição de Tróia não teve por motivo senão a vingança de uma injúria; por motivo quase semelhante expulsaram os Romanos os Tarquínios, e destruíram a realeza; e outras muitas guerras e devastações nem sequer se coonestam com iguais visos de justiça49.

31O que se mostra a Varnhagen como um sentimento bárbaro, essencialmente desagregador, torna-se, pela comparação tecida por Magalhães, a base mesma da civilização. Afinal, um cerco tão longo como o de Tróia só poderia mesmo ser motivado ou por uma vingança instintiva, ou por sentimentos heróicos! Ora, o que vemos em Homero como nobre, parece sugerir Magalhães, porque veríamos aqui como simples selvageria? O que é instintivo nos indígenas, portanto, não é esse estado de natureza que desenha Varnhagen com sua descrição etnográfica, e sim uma sociabilidade exemplar espelhada no mundo antigo. Inclusive, uma vez realizada essa aproximação entre os indígenas e os heróis homéricos, aqueles também se vêem justificados como objetos de uma epopéia, encaminhando a legitimação do próprio projeto literário encabeçado por Magalhães:

  • 50  « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 63.

Por isso é que os feitos dos indígenas oferecem argumento simpático à nossa poesia nacional. E como bem notou o Sr. Odorico Mendes: os selvagens, rudes e de costumes quase homéricos, podem prestar belos quadros á epopéia. O parecer de tão abalizado crítico, que nos deu Virgílio em português, e luta para interpretar Homero, é de tanto peso que decide só por si qualquer dúvida. Feliz me julgo de pensar como ele, que sabe o que é uma epopéia50.

32A autoridade homérica, mediada, aqui, pela autoridade de seu tradutor moderno, vem garantir por si mesma a resolução da disputa sobre o selvagem, promovendo essa curiosa apropriação romântica de um modelo clássico.

33Essa comparação com Homero, tecida por Magalhães, não se restringia apenas ao objeto da epopéia, mas se estendia igualmente à sua escrita. A gramaticalização da língua indígena, como já mencionei, inseria-se como a principal operação na construção do «fato etnográfico». Reduzida em dicionários e gramáticas, a língua indígena tornava-se objeto de apreciação estética, cujo valor encontrava-se no próprio modelo de sua redução: a gramática latina. Tal redução permitia, assim, conformar a língua dos selvagens à mesma estrutura gramatical a partir da qual os próprios antigos se faziam presentes a esses letrados. Uma vez gramaticalizada, a oralidade selvagem ganhava a semelhança da linguagem homérica. Como diz Magalhães: « Pelo som e significação de muitos dos seus vocábulos e formação de palavras compostas, tem ela alguma analogia com a língua de Homero », ou ainda:

  • 51   « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 45.

A sua lingua é tão suave, elegante e copiosa, que segundo a opinião dos que a cultivaram e gramaticaram, não lhe levam vantagem a Grega e a Latina. Lingua (diz Montoya) tan copiosa y elegante, que con rason puede competir com las de fama. ‘E Simão de Vasconcelos exclama: Em que escolas aprenderam, no meio dos sertões tão acertadas regras de gramática, que não falta um ponto de perfeição da praxe de nomes, verbos, conjugações ativas e passivas? Não dão vantagem nisso as mais polidas artes dos Gregos e Latinos’.51

34O nível de perfeição gramatical da língua tupi, cuja observação estava ligada diretamente ao seu processo de gramaticalização a partir do modelo latino, era transposto para a argumentação não como um juízo de valor, mas como um juízo de fato. A analogia tecida por Magalhães entre a língua dos selvagens e aquela de Homero sugeriria, assim, um alto padrão cultural alcançado pelos povos autóctones do Brasil - senão em seu presente, ao menos em seu passado.

  • 52  Francisco A. de Varnhagen. L’Origine Touranienne des Américains Tupis-Caribes et des Anciens Egypt (...)
  • 53  Sobre as operações etnográficas de Varnhagen e suas aproximações e distanciamentos de Antigos, Sel (...)

35Nesta via de mão única, o único efeito visado pela comparação de Magalhães é a reabilitação do indígena por meio do exemplo dos antigos – estes, por sua vez, jamais são movidos dessa posição fixa de autoridade exemplar. Ao tecer uma série de aproximações entre os selvagens e os antigos, Magalhães lançava mão do prestígio reconhecido aos gregos e romanos erigindo-os como figuras de autoridade capazes de decidir a contenda sobre o indígena brasileiro. Nesse sentido, mais que tornar os antigos selvagens, o que sua operação visava como efeito era a nobilitação dos indígenas. Não um selvagem com vestes gregas, mas um grego despido em terras americanas! Já no caso de Varnhagen, o objetivo era o oposto. Não surpreende, assim, que o uso que o historiador faz da comparação siga um caminho inverso ao de Magalhães, gerando antes, como ressaltou Temístocles Cézar, uma primitivização dos indígenas e, por conseqüência, dos antigos. É o caso, por exemplo, da comparação feita por ele acerca do uso do botoque nos indígenas brasileiros e seu uso similar no Egito antigo, tal como representado em sua iconografia. Mais do que destacar a simples semelhança, a comparação de Varnhagen tem a ambição de trazer uma nova perspectiva sobre aquelas imagens há tempos conhecidas: « Nós vamos mesmo mais longe. Acreditamos poder explicar, por um uso primitivo de botoques nos lábios, estes pequenos apêndices que observamos nos deuses e reis do Egito, assim como nas múmias dos homens »52. Desse modo, não apenas os antigos vinham esclarecer os selvagens, mas também estes, num movimento inverso, poderiam produzir novas perspectivas sobre aqueles – ambos entendidos, então, como primitivos. Não era com o objetivo de lançar novas luzes sobre os antigos, no entanto, que Varnhagen tecia suas aproximações. O que suas filiações e comparações com o mundo antigo ambicionavam trazer ao leitor era, antes, a legitimação histórico-etnográfica das posições políticas e intelectuais que o qualificavam dentro da querela sobre o selvagem ocorrida no IHGB53.

  • 54  História geral do Brasil. Antes de sua separação e Independência de Portugal. 3ª Edição, op.cit., (...)

36Nesse sentido, convém ressaltar, ainda que brevemente, uma certa ambivalência no modo como Varnhagen produz essa primitivização dos antigos. Afinal, ele não toma a antiguidade como um bloco único e homogêneo. A aproximação entre Tupis e mundo antigo limita-se basicamente ao Cários, dos quais os indígenas brasileiros teriam descendido. Como afirma na segunda edição de sua História Geral: « E hoje temos quase a convicção de que houve efetivamente para o Brasil uma grande emigração dos próprios Cários da Ásia Menor, efetuada talvez depois da queda de Tróia »54. Varnhagen lança, aqui, uma hipótese por ele aventada em estudo anterior, quando colocava três períodos possíveis dessa migração dos Cários para a América, sendo o terceiro, justamente, após a guerra de Tróia. Cito trecho deste estudo:

  • 55 L’Origine Touranienne des Américains Tupis-Caribes et des Anciens Egyptiens, op.cit., p. 93.» Deux (...)

Dois costumes que se conservaram nos Tupis poderiam contribuir na suposição de que a emigração ocorreu à essa época: são eles o de sacrificar os prisioneiros e o de tirar vingança de seus inimigos, mesmo após a morte, sobre seus cadáveres. Ora, nós encontramos estes dois costumes à época da Guerra de Tróia; e Homero, do qual se acusa pouca generosidade por lhes fazer menção, não os teria inventado55.

  • 56  Francisco A. de Varnhagen. História geral do Brasil. Antes de sua separação e Independência de Por (...)
  • 57  História geral do Brasil. Antes de sua separação e Independência de Portugal. 3ª Edição, p. 59. Es (...)

37Os Tupis seriam, enfim, descendentes da guerra que funda a « ocidentalidade ». A partilha original se encontraria, portanto, nesse passado que não deixa de ser reconhecido por Varnhagen como «clássico», onde a memória ocidental tem seu ponto zero. A partir dali, os dois caminhos, o da barbárie e o da civilização, foram trilhados, um no espaço, outro no tempo. O longo caminho da civilização, como o estabelece Varnhagen, era único, e foi trilhado pelos Fenícios, pelos Gregos e pelos Romanos, que implantaram a civilização na Europa e «com a língua levaram à Lusitânia, e que mais tarde, auxiliada na indústria pela ilustração arábica, e, nos costumes pelas branduras do cristianismo, foi trazida a este abençoado país (...)»56. E então, por capricho da Providência, esses dois caminhos – o da barbárie e o da civilização - voltariam a se encontrar nos Trópicos com a colonização portuguesa. Após os Tupis, esses descendentes dos Cários, terem invadido « com inauditas crueldades » as terras americanas, teriam que enfrentar agora a vingança da história: « A seu turno devia chegar-lhes o dia da expiação. Veio trazê-lo o descobrimento e colonização, efetuados pela Europa Christã »57. Aí termina a Etnografia. Começa, então, a História.  

A(s) Modernidade(s) e os antigos

38O que me interessa destacar dessa discussão, enfim, é como a querela sobre o selvagem, tal como configurado pelo debate etnográfico oitocentista, desembocava indiretamente numa querela acerca da autoridade do passado e, mais especificamente, dos antigos. Num trabalho constante de aproximação e distanciamento, de conjunção e distensão, o uso das categorias selvagem e antigos parecia gerar efeitos no modo como passado, presente e futuro eram relacionados. Ora o passado, na figura dos antigos, vinha esclarecer e legitimar os selvagens, ora estes lançavam uma nova inteligibilidade, ainda que indireta e limitada, sobre os antigos. Operação de efeito recíproco, seu uso se inscrevia num processo mais amplo de reestruturação da ordem temporal. De todo modo, esses usos da antiguidade também nos alertam para o fato de que a convivência do reconhecimento de uma autoridade dos antigos e a elaboração de uma concepção moderna de história não aparecem, necessariamente, como antinômicos – tal como a aplicação de grandes modelos pautados em oposições poderia sugerir. Uma análise do uso dessas categorias pode, assim, servir como uma chave de entrada para a compreensão das especificidades que caracterizaram a formação de um conceito moderno de história no Brasil oitocentista. Afinal, como bem observou Myrian Revault d’Allonnes em seu recente ensaio sobre a noção de autoridade:

  • 58  Myriam Revault d’Allonnes. Le pouvoir des commencements. Essai sur l’autorité, op. cit., p. 139. « (...)

Ainda que os Modernos tenham se empenhado em se livrar do julgo da tradição, a proclamação de um novo começo histórico e político não cessou de acompanhar-se de uma referência ao antigo.58

39Continuidade que não deixa de ser um índice dos próprios limites do projeto moderno de sua « auto-instituição ».

Haut de page

Notes

1  Temístocles Cezar propõe a expressão « retórica da nacionalidade » para definir esse esforço discursivo do IHGB. Temístocles Cezar, L’écriture de l’histoire au Brésil au xixe siècle. Essai sur une rhétorique de la nacionalité. Le cas Varnhagen. Paris, EHESS, Tese de Doutorado, 2002, 636 p.

2  Hans Blumenberg. The legitimacy of modern age. Cambridge: MIT Press, 1985, p. 669.

3  O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro foi fundado em 21 de outubro de 1838. A criação do IHGB, proposta por integrantes da Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional (SAIN), visava coligir e organizar os documentos necessários para a escrita de uma história nacional, promovendo a construção dos referentes simbólicos em relação aos quais o « Brasil » e o « brasileiro » poderiam e deveriam ser pensados, garantido-lhes tanto um passado quanto um futuro. Após o processo de emancipação e em meio aos debates entre Exaltados, Moderados e Restauradores, que movimentaram as décadas de 1820 e 1830, o IHGB veio a se constituir como mais um locus do exíguo espaço público em constituição, onde os projetos políticos procuravam ser legitimados por meio de uma acirrada luta de representações, envolvendo noções como Estado, sociedade, liberdade, revolução, representatividade, etc. Sua consolidação como um lugar de saber, no decorrer das décadas de 1840 e 1850, convergiu com o processo de centralização do Estado e o abrandamento das discussões referentes às identidades políticas, tal como ocorrido nos anos pós-Independência. Cf. Lúcia M. Paschoal Guimarães. « Debaixo da imediata proteção de sua Majestade Imperial: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838-1889) », RIHGB, n. 388, 1995, p. 459-613.

4   Roberto Acízelo de Souza. O império da eloqüência. RJ: EdUERJ/EdUFF, 1999, p. 279. Ver também Maria Renata da Cruz DURAN. Retórica e eloqüência no Rio de Janeiro (1759-1834). França, UNESP, Tese de doutorado, 2009, p. 195.

5  Reinhart Koselleck. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora PUC-Rio, 2006, p. 266.

6  Como destacam Perelman e Olbrechts-Tyteca, todo orador que quer persuadir um auditório particular tem de se adaptar a ele. Por isso a cultura própria de cada auditório transparece através dos discursos que lhe são destinados, de tal maneira que é, em larga medida, desses próprios discursos que nos julgamos autorizados a tirar alguma informação a respeito das civilizações passadas. Chaïm Perelman et Lucy Olbrechts-Tyteca. Tratado da argumentação. A  nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2005, p. 23.

7  Myriam Revault d’Allonnes. Le pouvoir des commencements. Essai sur l’autorité. Paris : Seuil, 2006, p. 167. No decorrer do processo de consolidação do Estado Imperial no Brasil, como destaca Ilmar Mattos, « competia ‘construir a Nação’, devendo-se entender por tal a preservação da existência da diferenciação entre pessoas e coisas, por um lado, e da desigualdade entre as pessoas, de outro, de tal forma que se uns eram considerados cidadãos e súditos, outros deveriam ser apenas súditos ». Ilmar R. de. Mattos. Tempo Saquarema. São Paulo: Hucitec, 2004, p. 165.

8  Esse processo tem se materializado na criação de linhas de pesquisa em historiografia em cursos de pós-graduação, na realização de seminários voltados para o tema, assim como em publicações especializadas, como a revista História da Historiografia (http://www.ichs.ufop.br/rhh/).

9  Manoel L. Salgado Guimarães. « Historiografia e cultura histórica: notas para um debate », Ágora, n. 1, vol. 11, 2005, p. 31-47.

10  Manoel L. Salgado Guimarães. « Nação e Civilização nos Trópicos: o IHGB e o projeto de uma História nacional », Estudos Históricos, n.1, 1988, p. 3-27.

11  Bertrand Binoche. « Le sauvage, l’ancien et le moderne – ou comment penser l’histoire de la societé civile? », Revista de História, Edição Especial, 2010, p. 224.

12  Maria da Glória Oliveira. Escrever vidas, narrar a história. A biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. UFRJ, Tese de doutorado, 2009, p. 20.

13  Escrever vidas, narrar a história, op. cit., p. 54.

14  Valdei Lopes de Araújo. A experiência do tempo. Conceitos e Narrativas na Formação Nacional Brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucitec, 2008, p. 19-20.

15  Manoel L. Salgado Guimarães. « Uma história da história nacional: textos de fundação », in Ivana Stolze Lima; Laura do Carmo (éd.). História social da língua nacional. Rio de janeiro: Edições Casa Rui Barbosa, 2008, p. 412.

16  João Feres Júnior; Marcelo Jasmin (éd.). História dos conceitos. Diálogos transatlânticos. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio/Loyola/IUPERJ, 2007, p. 299. João Feres Júnior, (éd.). Léxico da História dos Conceitos Políticos do Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2009, pp.249. Guillermo Z. Padilla. La cultura moderna de la historia. Una aproximación teórica e historiográfica. México: El Colegio del México, 2002, p. 246. Javier Fernández Sebastián; Juan Francisco Fuentes (éd.). Diccionario Político y Social del Siglo xix Español. Madrid: Alianza Editorial, 2002, p. 772.

17  Reinhart Koselleck. « Entrevista com Reinhart Koselleck », in Marcelo Jasmin; João Feres Júnior (éd.). História dos conceitos. Debates e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio/Loyola/IUPERJ, 2006, p. 135-169.

18  Preocupação semelhante foi colocada por Elias Palti: « Na medida em que modernidade e tradição aparecem como blocos perfeitamente coerentes e opostos entre si, as contradições na história intelectual aparecerão necessariamente como resultado de uma espécie de assincronia conceitual, isto é, a superposição de duas épocas históricas diversas ». Elias Palti, « Temporalidade e refutabilidade dos conceitos políticos », in João Feres Júnior; Marcelo Jasmin (éd.). História dos conceitos. Diálogos transatlânticos, op.cit., p. 64.

19  Pierre Bourdieu. Esquisse d’une theorie de la pratique. Paris: Seuil, 2000, « L’illusion de la règle », p. 300-321.

20  « Uma história da história nacional: textos de fundação », op.cit., p. 403.

21  Gonçalves Dias, « Amazonas. Memoria escripta em desenvolvimento do programa dado por S. M. I. ao sócio effectivo o Sr A. de Gonçalves Dias », RIHGB, Tomo XVIII, 1853, p. 9

22  « Amazonas. Memoria escripta em desenvolvimento do programa dado por S. M. I. ao sócio effectivo o Sr A. de Gonçalves Dias », op.cit., p. 11

23  Manuel Ferreira Lagos, « Relatório dos Trabalhos do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro », RIHGB, Tomo XI, 1847, p. 132.

24  Januario da Cunha Barbosa, « Discurso recitado no acto de estatuir-se o Instituto Historico e Geographico Brazileiro », RIHGB, 1839, Tomo I, p. 15, Grifos meus.  

25  Visconde de Sapuchay, « Discurso », RIHGB, Tomo XVII, 1854, Suplemento, p. 6.

26  Como diz Wittgenstein: « To the philosophical question: ‘Is the visual image of this composite, and what are its component parts?’ the correct answer is: ‘That depends on what you understand by ‘composite’. (And that is not an answer but a rejection of the question) ». Ludwig Wittgenstein. Philosophical Investigations. The German text, with a revised english translation. Oxford, Blackwell, 2001, p. 20.

27  Temístocles Cezar. « Anciens, Modernes, Sauvages, et l’écriture de l’histoire au Brésil au xixe siècle. Le cas de l’origine des Tupis », Anabases, 8, 2008, p. 43-65. Sobre a querela entre antigos e modernos, cf. Marc Fumaroli. « Les abailles et les araignées », in La Querelle des Anciens et des Modernes. Édition établie par Anne-Marie Lecoq. Paris : Gallimard, Folio Classique, 2001, p. 7-218; Joseph Levine, The Battle of the Books. History and Literature in the Augustan Age. Ithaca : Cornell University Press, 1991, p. 428; e Marc André Bernier (éd.). Parallèle des anciens et des modernes. Rhétorique, histoire et esthétique au siècle des Lumières. Québec, PUL, 2007, p. 211. Sobre os paralelos entre antigos, modernos e selvagens, cf. François Hartog. Anciens, Modernes, Sauvages. Paris: Galaade, 2005, p. 252.

28  Rodrigo Turin. Tempos cruzados: escrita etnográfica e tempo histórico no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro, UFRJ, Tese de Doutorado, 2009, p. 241. Para um estudo relacionando o discurso etnográfico do IHGB e a política do Segundo Reinado, cf. Kaori Kodama. Os filhos das brenhas e o Império do Brasil: a etnografia do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil (1840-1860). Rio de Janeiro, PUC-Rio, Tese de Doutorado, 2005.

29  Logo na quarta sessão do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, realizada em 4 de fevereiro de 1839, o Secretário Geral, Januário da Cunha Barboza, leu para os sócios presentes seis questões que deveriam orientar as discussões da casa. Dessas seis questões, todas devidamente aprovadas, quatro diziam respeito às populações indígenas e as duas outras versavam sobre o processo de colonização portuguesa. Os problemas levantados em relação aos primitivos habitantes do Brasil detinham-se nos seguintes pontos: as causas de sua « espantosa extinção »; o que se deveria concluir sobre sua história, ao momento da descoberta do Brasil; se essa população era formada somente por grupos nômades, « e no primeiro grau da associação », ou se era descendente de alguma « das grandes nações do resto da América», guardando traços dessas civilizações; qual seria o melhor método para se colonizar os índios (se conviria seguir o sistema dos Jesuítas); e, por fim, se a introdução dos africanos teria prejudicado a civilização dos índios do Brasil. Januário da Cunha Barbosa, RIHGB: Tomo I, 1839, p. 61.

30  Manoel L. Salgado Guimarães. « História e Natureza em von Martius: esquadrinhando o Brasil para construir a nação », in Manguinhos- História, Ciências, Saúde. Vol. II, 2000, p. 391-413.

31  Paul Ricoeur La mémoire, l’histoire, l’oubli. Paris : Seuil, 2001, p. 690. Ver também Jack Goody. La domestication de la pensée sauvage. Paris : Minuit, 1977.

32  Convém lembrar que o uso do paralelo, como elemento retórico, inscrevia-se como parte do gênero epidítico, promotor de louvor ou vitupério. Contrastar antigos e modernos poderia servir tanto para o orador censurar indivíduos ou instituições contemporâneas declarando serem inferiores aos seus predecessores; como, ao contrário, louvá-los, mostrando o quanto eram superiores àqueles do passado. Como ressaltou Grégory Gicquiaud, todo paralelo se aparenta a um « concurso ». Grégory Gicquiaud. « La balance de Clio: réflexions sur la poétique et la rhétorique du parallèle », in Marc André Bernier (éd.). Parallèle des anciens et des modernes. Rhétorique, histoire et esthétique au siècle des Lumières. Considerações semelhantes são feitas no importante estudo de Robert Black. « Ancients and Moderns in the Renaissance: Rhetoric and History in Accolti's Dialogue on the Preeminence of Men of his Own Time », Journal of the History of Ideas, Vol. 43, No. 1, 1982, p. 3-32.

33  Domingos Gonçalves de Magalhães, médico, diplomata, poeta e dramaturgo, nasceu no Rio de Janeiro, em 13 de agosto de 1811, e faleceu em Roma, Itália, em 10 de junho de 1882. Em 1836, lançou em Paris um manifesto, Discurso sobre a literatura no Brasil. De parceria com Araújo Porto-Alegre e Torres Homem, lançou a revista Niterói e editou, em Paris, o seu livro Suspiros poéticos e saudades, considerado o iniciador do Romantismo no Brasil. Atuou como secretário do Duque de Caxias na repressão às revoltas da Balaiada (Maranhão) e Farrapos (Rio de Grande do sul). Entre suas obras, destacam-se: A confederação dos Tamoios; Os mistérios; Fatos do espírito humano, Cânticos fúnebres; A alma e o cérebro, Comentários e pensamentos; A confederação dos Tamoios; Memória Histórica e documentada da Revolução da Província do Maranhão. Desde 1839 até 1840. Cf. Antonio Candido. Formação da literatura Brasileira. São Paulo: Editora Ouro sobre Azul, 2009, p. 800.

34  Francisco Adolpho de Varnhagen nasceu em São João de Ipanema (São Paulo) a 17 de fevereiro de 1816. Estudou no Real Colégio da Luz em Lisboa, de 1825 a 1832 e, a seguir, ingressou na Academia de Marinha, cujo curso freqüentou em 1832 e 1833. Faleceu em Viena, Áustria, a 26 de junho de 1878.  Publicou em 1838 um ensaio intitulado Notícia do Brasil. Colaborou em O Panorama, dirigido pelo grande historiador português Alexandre Herculano. Já licenciado do exército português tornou-se sócio correspondente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (18 de julho de 1840). Nomeado adido à legação do Brasil em Lisboa, em 1841, foi incumbido de pesquisar documentos sobre a História e a Legislação referentes ao Brasil. Em 1854 edita sua História Geral do Brasil, cujo segundo volume apareceria em 1857. Entre extensa a obra de Varnhagen, inclui-se: O descobrimento do Brasil; O Caramuru perante a história; Tratado Descritivo do Brasil em 1587; História completa das lutas holandesas no Brasil; Épicos brasileiros; Florilégio da poesia brasileira; Amador Bueno, drama histórico; Cancioneiro. Para uma bela « antologia de sua existência », cf. Temístocles Cezar. «Varnhagen em movimento: breve antologia de uma existência», Topoi, vol. 8, n. 15, 2007, p. 159-207.

35  D. J. Gonçalves Magalhães. « Os indígenas do Brasil perante a História », RIHGB, Tomo XXIII, 1860, p. 7

36  Francisco A. de Varnhagen. Historia Geral do Brasil, isto é do descobrimento colonisação, legislação e desenvolvimento deste Estado, hoje imperio independente, escripta em presença de muitos documentos autenticos recolhidos nos archivos do Brazil, de Portugal, da Hespanha e da Hollanda. Madrid, 1854, p. XXI.

37  A lista de questões é a seguinte: « 1.Eram os que percorriam o nosso território, á chegada dos christãos europeos, os seus legitimos donos? 2. Viviam, independentemente da falta do ferro e de conhecimento da verdadeira religião, em estado social invejável? 3. Esse estado melhoraria, sem o influxo externo que mandou a Providencia por meio do christianismo? 4. Havia meio de os reduzir a amansar, sem empregar a coacção pela fôrça? 5. Houve grandes excessos de abuso nos meios empregados para essas reducções? 6. Dos tres elementos de povoação, indio, branco e negro, que concorreram ao desenvolvimento de quasi todos os paizes da America, qual predomina hoje no nosso? 7. Quando se apresentem discordes ou em travada luta estes tres elementos no passado, qual delles devemos suppor representante historico da nacionalidade hoje? ». Historia Geral do Brasil. Tomo II. Madrid, 1854, p. XVII.

38  Historia Geral do Brasil. Tomo II p. XXVIII.    

39  « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 4

40  «Os indígenas do Brasil perante a História», op.cit., p.51. Grifos meus.

41  «Os indígenas do Brasil perante a História», op.cit., p. 37.

42  «Os indígenas do Brasil perante a História», op.cit., p. 6

43  Essa relação entre autoridade e reconhecimento foi bem destacado por Pascal Payen: « Le fait de reconnaître ainsi une autorité conduit à poser le problème de la relation qu’entretient cette dernière avec le pouvoir et avec la persuasion. L’autorité se distingue du premier en ce qu’elle ne s’exerce ni par la coercition ni par la violence ; ‘là où la force est employée, l’autorité proprement dite a échoué’. Elle se différencie également de la persuasion en ce que persuader implique que l’on renonce a priori à la hiérarchie dont la reconnaisance fonde le lien d’autorité ». Pascal PAYEN. « Les anciens en figure d’autorité », in : Dider Foucault; Pascal Payen (éd.). Les autorités. Dynamiques et mutations d’une figure de référence à l’Antiquité, op.  cit., p. 9.

44  « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 11.

45  Georg Simmel.« The Ruin », in K. Wolff (éd.), Georg Simmel: 1858-1918. Columbus: Ohio State University Press, 1959, p. 259-66.

46  Arno Wheling. Estado, História, Memória: Varnhagen e a construção da identidade nacional. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1999, p. 240.

47  História geral do Brasil. Antes de sua separação e Independência de Portugal. 3ª Edição. São Paulo: Melhoramentos, s/d p. 15-16.

48  A descrição etnográfica de Varnhagen pode ser bem caracterizada pelas palavras de François Furet: «Sans lois, sans arts, sans gouvernements, bref sans histoire. Car une échelle de valeurs implicite dignifie toujours le temps, créateur dynamique des lois et des nations, au détriment de l’espace, distributeur passif des societés humaines». François FURET. « De l’homme sauvage a l’homme historique: l’expérience américaine dans la culture française au xviiie siècle », L’atelier de l’histoire. Paris: Flammarion, 1982, p. 199. Vale destacar que também para Varnhagen, como para o caso francês analisado por Furet, o sonho americano só poderia sobreviver na literatura, e não na ciência ou na política.

49  « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 14.

50  « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 63.

51   « Os indígenas do Brasil perante a História », op.cit., p. 45.

52  Francisco A. de Varnhagen. L’Origine Touranienne des Américains Tupis-Caribes et des Anciens Egyptiens. Indiquée principalement par la philologie comparée: traces d’une ancienne migration en Amérique, invasion du Brésil par les Tupis, etc., Vienne, Librairie I. et R. de Faesy & Frick, 1876, p. 71. « Nous allons même plus loin. Nous croyons pouvoir expliquer, par un usage primitif de botoques aux mentons, ces appendicules que l’on y voit, chez les dieux et les rois d’Egypte, et aussi dans les momies des hommes ».

53  Sobre as operações etnográficas de Varnhagen e suas aproximações e distanciamentos de Antigos, Selvagens e Modernos, remeto ao artigo de T. Cezar, « Anciens, Modernes, Sauvages, et l’écriture de l’histoire au Brésil au xixe siècle. Le cas de l’origine des Tupis », op. cit. Concordo com o autor quando afirma que os indígenas se tornam, para Varnhagen, «primitivos, testemunhas das origens da humanidade», p. 65.

54  História geral do Brasil. Antes de sua separação e Independência de Portugal. 3ª Edição, op.cit., p. 57.

55 L’Origine Touranienne des Américains Tupis-Caribes et des Anciens Egyptiens, op.cit., p. 93.» Deux usages qui se sont conservés chez les Tupis pourraient contribuer à faire supposer que l’émigration a été entreprise à cette époque : ce sont ceux de sacrifier les prisonniers et de tirer vengeance de leurs ennemies, même après la mort, sur leurs cadavres. Or, nous trouvons ces deux usages à l’époque de la guerre de Troie ; et Homère, que l’on a accusé de peu de generosité pour en avoir fait mention, ne les aura pas inventés ».

56  Francisco A. de Varnhagen. História geral do Brasil. Antes de sua separação e Independência de Portugal. 3ª Edição. São Paulo: Melhoramentos, s/d, 3. Ed., p. 54.

57  História geral do Brasil. Antes de sua separação e Independência de Portugal. 3ª Edição, p. 59. Essa visão de Varnhagen do processo histórico liga-se à sua concepção de um direito de conquista. Em seu Memorial Orgânico ele deixa claro o direito básico que legitima a «história» brasileira como continuidade do passado colonial: « O Brasil pertence-nos pela mesma razão que a Inglaterra ficou pertencendo aos normandos quando a conquistaram... O primeiro direito de todas as nações conhecidas foi o da conquista ». Francisco A. de Varnhagen. «Memorial Orgânico que à consideração das Assembléias geral e provinciais do Império, apresenta um brasileiro. Dada a luz por um amante do Brasil», 1849, p. 127.

58  Myriam Revault d’Allonnes. Le pouvoir des commencements. Essai sur l’autorité, op. cit., p. 139. « Bien que les Modernes se soient attachés à secouer le joug de l’autorité et à récuser tout mode de légitimation lié à la tradition, la proclamation d’un nouveau commencement historique et politique n’a cessé de s’accompagner d’une référence à l’antique ». Do mesmo modo, faz-se valer aqui as considerações de Bartrand Binoche : « La leçon qu’il convient de tirer de tout ceci pourrait être la suivante: d’un côté, nous n’avons pu élaborer de « philosophie de l’histoire » qu’en cessant de nous demander si nous devions imiter les anciens ou si nous devions vivre selon la nature; mais d’un autre côté, ces deux questions s’avèrent constitutives d’une « identité européenne » – et peut-être même américaine… – qui est en réalité une inquiétude permanente ». « Le sauvage, l’ancien et le moderne – ou comment penser l’histoire de la société civile? », Revista de História, 2010, p. 230.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rodrigo Turin, « Os antigos e a nação: algumas reflexões sobre os usos da antiguidade clássica no IHGB (1840-1860) », L’Atelier du Centre de recherches historiques [En ligne], 07 | 2011, mis en ligne le 17 mai 2011, consulté le 02 août 2014. URL : http://acrh.revues.org/3748 ; DOI : 10.4000/acrh.3748

Haut de page

Droits d’auteur

© Tous droits réservés

Haut de page